SPM_Ligue180_Balanco2015

Balanço 2015 do Ligue 180 – Central de Atendimento à Mulher (SPM, 2016)

Instituição/Orgão: Âmbito: Ano:

A Central de Atendimento à Mulher – Ligue 180 realizou 749.024 atendimentos em 2015 – uma média de 62.418 por mês e 2.052 por dia -, número 54,40% maior do que o registrado em 2014 (485.105).

Do total de atendimentos em 2015, 41,09% corresponderam à prestação de informações; 9,56%, a encaminhamentos para serviços especializados de atendimento à mulher; 38,54%, a encaminhamentos para outros serviços de teleatendimento (190/Polícia Militar, 197/Polícia Civil, Disque 100/SDH).

Em comparação a 2014, houve aumento de:

44,74% no número de relatos de violência
325% de cárcere privado (média de 11,8/dia)
129% de violência sexual (média de 9,53/dia)
151% de tráfico de pessoas (média de 29/mês)

Desde sua criação em 2005, a Central de Atendimento à Mulher já registrou 4.823.140 atendimentos.

Sobre o Ligue 180

O Ligue 180 é um serviço de utilidade pública gratuito e confidencial (preserva o anonimato), oferecido pela Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres do Ministério das Mulheres, da Igualdade Racial e dos Direitos Humanos. A Central recebe denúncias de violência, reclamações sobre os serviços da rede de atendimento à mulher e orienta as mulheres sobre seus direitos e sobre a legislação vigente, encaminhando-as para outros serviços quando necessário. É um dos eixos do Programa ‘Mulher: Viver sem Violência’.
(…)
Com funcionamento 24 horas, todos os dias da semana, inclusive finais de semana e feriados, o Ligue 180 pode ser acionado de qualquer lugar do Brasil. Desde março de 2014, o Ligue 180 atua como disque-denúncia, com capacidade de envio de denúncias para a Segurança Pública com cópia para o Ministério Público de cada unidade da federação e ainda para Ministério das Relações Exteriores (Departamento de Assistência Consular – DAC), Secretaria Especial de Direitos Humanos e Polícia Federal, totalizando 65.391 denúncias.
(…)
Em março de 2015, o atendimento do Ligue 180 expandiu para mais 13 países, somando agora 16 países que podem acionar a Central: Argentina, Bélgica, Espanha, EUA (São Francisco), França, Guiana Francesa, Holanda, Inglaterra, Itália, Luxemburgo, Noruega, Paraguai, Portugal, Suíça, Uruguai e Venezuela.”
Fonte: SPM

Acesse a divulgação: Ligue 180 registrou 749.024 atendimentos em 2015 (SPM – 08/03/2016)

Faça o Download da pesquisa completa

Metade dos relatos ao Ligue 180 tratou de violência física

Do total de atendimentos registrados em 2015, 10,23% (76.651) corresponderam a relatos de violência, sendo que 50,16% foram de violência física; 30,33%, de violência psicológica; 7,25%, violência moral; 2,10%, violência patrimonial; 4,54%, violência sexual; 5,17%, cárcere privado; e 0,46% referiram-se a tráfico de pessoas.

Em 72% dos casos o agressor é o parceiro ou ex

Em 72% dos casos, as violências relatadas ao Ligue 180 foram cometidas por homens com quem as vítimas
mantêm ou mantiveram uma relação afetiva.

A maioria dos relatos registrados pelo serviço em 2015 (86,56%) referiam-se à violência doméstica e familiar, em situações previstas na Lei Maria da Penha (Lei nº 11.340/2006). Em praticamente metade (49,54%) dos registros. o tempo de relacionamento entre vítima e agressor/a é de mais de 5 anos.

Maioria das vítimas de violência são mulheres negras

Do total de atendimentos registrados em 2015, 10,23% (76.651) corresponderam a relatos de violência, sendo que a maioria das vítimas (58,86%) eram mulheres negras (pretas e pardas), seguidas pelas mulheres brancas (40,15%), amarelas (0,53%) e indígenas (0,46%).

Em 74% dos relatos, a violência é diária ou semanal

Em relação há quanto tempo ocorre a violência, em 34,27% dos relatos as mulheres estão em situação de violência há menos de um ano; em 30,88%, entre um e cinco anos; e em 29,40% há mais de cinco anos.

A maioria das vítimas tem filhos, que frequentemente presenciam e sofrem também a violência

Na maioria (70,97%) dos relatos, a vítima tem um ou dois filhos/as, que em 57,85% dos casos presenciaram
a violência e em 22,76% também foram agredidos.

É importante ressaltar que apenas 34,67% das mulheres em situação de violência dependem financeiramente do/a agressor/a, ou seja, 65,33% não dependem.

A cada três horas um estupro é relatado ao Ligue 180

Dos 3.478 relatos de violência sexual registrados em 2015 pelo serviço:

78,52% foram relatos de estupro (2.731)
15,24% foram de exploração sexual (530)
6,24% foram de assédio sexual no trabalho (217)

De 2014 a 2015 foi registrado aumento de 129% no número total de relatos de violências sexuais (estupro,
assédio, exploração sexual), uma média de 9,53 registros/dia.

Houve aumento de 154% no número de estupros registrados, que representaram uma média de 7,5 casos por dia. A cada três horas um estupro é relatado ao Ligue 180.

No mesmo período, o número de relatos de exploração sexual dobraram (crescimento de 102%), chegando a uma média de 44 registros/mês.

Na maioria absoluta dos relatos, percebe-se risco de mais violência; em quase 30%, o risco é de morte

O risco de que a violência relatada ao Ligue acabe na morte das vítimas foi percebido em
29,52% dos casos. Em seguida vêm os riscos de dano físico/espancamento (28,45%) e
de danos psicológicos (19,54%).